Como surge o chulé nos equipamentos esportivos? Entenda o triângulo do cheiro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on email

É sempre do mesmo jeito, a emoção da compra de uma luva, um tênis, ou qualquer equipamento esportivo vem acompanhada da excitação da prática de um novo esporte. Mas é sempre muito triste quando o mau odor toma conta do equipamento e você fica se perguntando como surge o chulé.

Até mesmo nossa casos de “upgrades” de equipamentos, quando não somos mais tão iniciantes ou até muito experientes, trocar um tênis, uma luva de boxe um quimono é igual trocar de faixa,  e como diria o Tio Ben, em Homem Aranha,  “Com grandes poderes vem grandes responsabilidades”.

O equipamento novo funciona, trás aquela satisfação da compra bem feita, o tênis é ótimo, a luva de boxe é perfeita, a luva de goleiro tem excelente grip, e nos primeiros usos, aquele cheirinho de novo.

Com o avanço dos treinos, aquele cheiro de novo vai dando lugar ao inevitável  cheiro de suor, que fatalmente muda para aquele cheiro forte e desagradável, e assim nasce o chulé.

Quem nos acompanha já sabe que Bodout é uma solução para equipamentos esportivos, como luvas de boxe, tênis, capacetes, entre muitos outros que são ruins de lavar, difíceis de secar e sofrem com os efeitos do suor.

Além do chulé, a umidade não tratada nos equipamentos esportivos trás  fungos e micoses, e por consequência a destruição acelerada do equipamento que você usa.

Hoje eu vou explicar como surge o chulé. E para isso preciso explicar também sobre o triangulo do cheiro.

O Triângulo do Cheiro – Como surge o chulé

O triângulo do cheiro ruim, ou triangulo do mau odor, ou até mesmo o triângulo do chulé, nasceu de uma comparação com o triângulo do fogo. Que nada mais é que a condições necessárias para que o fogo aconteça. E que sem uma delas não há fogo.

Com o chulé acontece à mesma coisa. São necessárias três condições principais para que ele exista, são eles:

MATÉRIA ORGÂNICA

Aceite , você está se desmanchando o tempo todo. A parte boa é que você também esta se regenerando o tempo todo.

As células que compõem o corpo, se agrupam em funções para manter nosso corpo funcionando em conjunto. O maior órgão do nosso corpo é a pele. Ela representa mais de 15% do nosso peso corpóreo e está em constante regeneração. Quando você toma sol, se coça anda , passa a mão, sua, caminha, corre, células velhas e mortas são substituídas por novas e jovens células mantendo seu constantemente saudável.

Acontece que essa troca constante de células gera um resíduo. É imperceptível no ambiente, mas em roupas calçados, luvas diversas se acumulam como matéria orgânica. Ou seja, restos de pele, resíduos expelidos pelo suor entre outras inúmeras coisas que ficam acumuladas.

Essa matéria orgânica é combinada com o segundo fator do triângulo do chulé que é a umidade.

UMIDADE

O suor serve principalmente para controlar a temperatura do corpo. E ele é composto principalmente de água, sais minerais, ureia, ácido úrico, cloreto de sódio, entre outras substâncias.

Quando o corpo sua, a umidade passa da pele para roupas, calçados, luvas e capacetes. Esses que geralmente não dão conta de evaporar o volume de líquido expelido de forma eficiente. Acontecendo o acúmulo do líquido deixado pelo suor.

Geralmente não há uma ventilação eficiente dentro desses equipamentos. Unindo este fator à nossa produção de suor elevada, acontece o acúmulo de umidade nos equipamentos. A umidade fica e somada a matéria orgânica são um mistura que fica faltando apenas um elemento para se tornar perfeita para o chulé.

TEMPERATURA

A última parte que fecha o triângulo do cheiro. Mas nem por isso menos importante imagine que se a matéria orgânica é alimento, e a umidade é caminho, a temperatura do nosso corpo é o detalhe que faltava para que as bactérias achem nosso tênis, luvas, capacetes entre outros muitos equipamentos o paraíso para se alimentar e se reproduzir.

O mau cheiro decorrente do suor não vem do líquido, mas das bactérias presentes na pele e no ar que se alimentam dele. É o resultado dessa digestão feita pelas bactérias que geram um odor forte e característico. E esse ambiente facilita sua reprodução, portanto, quanto mais comida, mais bactérias e mais chulé.

Além do chulé, tem os fungos

Além do forte cheiro ruim produzido com o triângulo do cheiro dentro dos equipamentos, o ambiente é ótimo para fungos. Esses seres que tanto incomodam simplesmente amam locais escurinhos e úmidos. Também se alimentam de matéria orgânica, inclusive nas nossas unhas, podendo entrar nelas e aí sim fica difícil de tratar.

Para reduzirmos o mau cheiro e a proliferação de bactérias e fungos temos que inevitavelmente mexer em uma das pernas desse triângulo,  ou na produção de matéria orgânica, ou na umidade ou na temperatura.

Bodout foi criado pensado como uma solução para equipamentos esportivos. Como luva de boxe, tênis, capacetes, entre muitos outros que são ruins de lavar, difíceis de secar, mas sofrem com os efeitos do triângulo do chulé.

Bodout age diretamente na remoção da umidade, ele realiza um processo de “adsorção química”. Não só absorve, mas “puxa” a umidade de dentro do equipamento esportivo. Reduzindo e eliminando a multiplicação das bactérias, até remover por completo o odor de forma durável e definitiva. A melhor parte disso tudo é que ele pode ser utilizado várias vezes, muito mais que outros produtos paliativos.

Confira abaixo o vídeo com a explicação completa.