Tênis de corrida com novas regras em competições

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on email

A Federação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) alterou algumas regras que dizem respeito ao uso de tênis de corrida pelos atletas de elite. A partir de 30 de abril de 2020, os equipamentos devem estar disponíveis para compra por quatro meses antes das competições. Caso contrário, ele será considerado um protótipo e, consequentemente, sua utilização proibida.  

Além disso, temos outras novas regras: 1) A sola não deve ter mais de 40 mm de espessura. 2) O sapato não deve conter mais de uma placa ou lâmina rígida incorporada (de qualquer material) que percorra todo o comprimento ou apenas parte do comprimento do sapato. A placa pode estar em mais de uma parte, mas essas partes devem estar localizadas sequencialmente em um plano (não empilhadas ou em paralelo) e não devem se sobrepor. 3)Para um sapato com espigões, é permitida uma placa adicional (para a mencionada acima) ou outro mecanismo, mas apenas com o objetivo de fixar os espigões à sola, e a sola não deve ter mais de 30 mm de espessura.

A Federação ainda vai realizar testes mais aprofundados sobre as novas tecnologias que estão sendo colocadas nas solas dos sapatos e, posteriormente, vai formar um comitê para analisar os tênis que estão indo ao mercado.

A Polêmica 

A discussão dos tênis de corrida começou quando Eliud Kipchoge superou a barreira das duas horas em uma maratona especialmente para a quebra do recorde em Outubro. Na ocasião, ele utlizou um modelo da linha Vaporfly, da Nike, que possui uma placa de carbono no solado, o qual promete uma economia de energia de 4% na corrida; e há especulações de que o protótipo especial que ele utilizou chegaria a 6%.

Kipchonge usando o tênis de corrida que utilizou para bater a barreira das duas horas
Eliud Kipchoge com o tênis Vaporfly

Segundo Raquel Castanharo em reportagem do Globoesporte.com, as placas de carbono ajudam na corrida da seguinte forma: O objetivo é tornar a impulsão mais eficiente, otimizando algo que o corpo já faz: corremos porque empurramos o chão para trás, assim o chão nos empurra para frente. Os motores desse movimento são, principalmente, as panturrilhas e os glúteos; e para que a força desses músculos seja transferida para o chão, os ossos do pé, neste momento, ficam em uma posição de “bloqueio”. Ou seja, o pé fica rígido para funcionar como uma espécie de alavanca. E é aí que entra a placa de carbono, para tornar essa alavanca no chão muito mais rígida e a impulsão mais potente.

Os tênis de corrida da Nike

Além do feito de Kipchoge, a Nike com modelos dessa linha, que foram lancados em 2016, obteve resultados incríveis. Em 13 meses, corredores com esses tênis bateram cinco recordes mundiais. Confira a participação do Vaporfly nos recordes oficiais vigentes de maratonas: 

Vaporfly no top 10 masculino

1.º Eliud Kipchoge – Berlim 2018 – Vaporfly Elite Upper;

2.º Kenenisa Bekele – Berlim 2019 – Vaporfly NEXT%;

3.º Eliud Kipchoge – Londres 2019 – Vaporfly NEXT%;

4.º Birhanu Legese – Berlim 2019 – Vaporfly NEXT%;

5.º Mosinet Geremew – Londres 2019 – Vaporfly NEXT%;

7.º Kenenisa Bekele – Berlim 2016 – Zoom Vaporfly 4%;

8.º Eliud Kipchoge – Londres 2016 – Prototipo Zoom Vaporfly Elite.

Vaporfly no top-10 feminino

1.ª Brigid Kosgei – Chicago 2019 – ZoomX Vaporfly Next%;

4.ª Ruth Chepngetich – Dubai 2019 – Zoom Vaporfly 4% Flyknit;

8.ª Tirunesh Dibaba – Londres 2017 – Zoom Vaporfly 4%;

10.ª Brigid Kosgei – Londres 2019 – ZoomX Vaporfly Next%

 

Brigid Kosgeiv bateu a marca de 2h15min usando tênis de corrida da Nike
Brigid Kosgeiv foi a primeira mulher a bater a marca de 2h15m

Com essas novas regras,  a IAAF busca um equilíbrio em relação ao tênis utilizados nas corridas e, ao proibir protótipos, a organização evita surpresas nos equipamentos, portanto o mérito esportivo cresce. Vale lembrar que esse ano teremos os Jogos Olímpicos em Tóquio e essa é uma questão muito importante.

O grande favorito na maratona masculina é Eliud Kipchoge, atual campeão, fez um tempo de 2h08m44s no Rio de Janeiro em 2016. Mas será que ele bate a barreira das duas horas usando tênis regulamentados? Do lado feminino, será que Brigid Kosgeiv vai conseguir bater seu próprio recorde? Vamos aguardar para ver!

Enquanto isso, que tal pegar seu tênis de corrida e se aventurar em alguma competição. Confira a nossa seleção de provas em Santa Catarina: https://bodout.com.br/principais-corridas-calendario-catarinense/